O Inimigo contesta o sistema no terceiro álbum do grupo de rock pesado

(Foto: Victor Balde / Divulgação)

Bandas de punk hardcoretendem historicamente a priorizar repertório de tom contestatório. Grupo paulistano formado em 2001, O Inimigo reforça essa tendência ao atingir a maioridade no cancioneiro politizado do álbum Contrariedade (HBB Records), lançado neste mês de maio de 2019 em CD, K7 e LP.

Em músicas como AlzheimerCâncer na terra e Sangue nordestino, O Inimigo eleva o valor dos trabalhadores na lida diária ao mesmo tempo em que aponta as falhas do sistema capitalista. Tudo com o peso do hardcore punk.

Capa do álbum 'Contrariedade', do grupo O Inimigo — Foto: Divulgação

(Capa do álbum ‘Contrariedade’, do grupo O Inimigo — Foto: Divulgação)

Trata-se do terceiro álbum de discografia iniciada em 2002 e pontuada por quatro EPs. Contudo, Contrariedade tem peso de estreia para O Inimigo por ser o primeiro álbum do grupo com o vocalista Wellington Marcelo, escalado em 2016 para substituir Alexandre Fanucchi.

Além de Wellington, O Inimigo é formado atualmente pelo baixista Alexandre Cacciatore, o guitarrista Juninho Sangiorgio (também integrante da banda Ratos de Porão), o também guitarrista Fernando Sanches – músico mais conhecido como baixista do CPM 22 – e o baterista Gian Coppola.

Fonte: G1