Kelly Key tenta (outra) volta com disco em que recicla hits com cantoras da atualidade

Foto: Divulgação

Precursora nos anos 2000 do industrializado pop feminino nacional do século XXI, fabricado com doses calculadas de sensualidade e apelo popular, Kelly Key vem articulando desde 2018 (mais) uma volta ao mundo da música.

Quatro anos após ter esboçado retorno com o álbum No controle (2015), a cantora e compositora carioca lança nesta sexta-feira, 8 de novembro, o primeiro EP do álbum, Do jeito delas, com que pretende se conectar com o som atual da indústria da música.

O título, Do jeito delas, remete ao nome do segundo álbum em português da artista, Do meu jeito (2003), e alude ao fato de Kelly Key reciclar sucessos da fase inicial da carreira em conexões com cantoras em evidência atualmente no universo pop.

Com Cynthia Luz, Key revive É ou não pra chorar? (Por causa de você), composição de 2003 assinada por Umberto Tavares, Gustavo Lins e Victor Júnior.

Com Pocah, o dueto acontece em Pegue e puxe (Andinho, 2006), single de maior sucesso do quarto álbum em português gravado por Kelly Key em estúdio (houve um disco em espanhol em 2002). Já Preta Gil figura na reciclagem de Só quero ficar (Andinho e Kelly Key, 2001).

O projeto Do jeito delas, contudo, não mostra Kelly Key somente com um olho no retrovisor e o outro no mercado atual. A música que abre o primeiro EP, Aumenta o som, é composição inédita de autoria de Donato, Jefferson Jr. e Umberto Tavares. É também a música eleita para ganhar clipe promocional, programado para entrar em rotação na segunda-feira, 11 de novembro.

Produtor e hitmaker habituado a fornecer e formatar repertório para artistas da Warner Music, gravadora que lançou Anitta e Ludmilla, Umberto Tavares assina a produção musical do álbum Do jeito delas em parceria com Mãozinha.

Cabe lembrar que Tavares já era presença recorrente no repertório de Kelly Key nos anos 2000. E também que foi a mesma Warner Music que investiu pesado, a partir de 2001, na carreira da então desconhecida Kelly de Almeida Afonso Freitas.

Resta saber como o mercado pop, cada vez mais voraz e ávido de novidades, vai absorver essa nova volta de Kelly Key ao disco porque o pop não costuma poupar ninguém.

Fonte: G1