Novo disco de Taylor Swift quebra recorde no Spotify

Lançado na sexta-feira (24), Folklore, oitavo disco da cantora Taylor Swift, teve uma estreia impactante no Spotify, além de boas vendas físicas, e deve ser o maior lançamento de 2020.

Segundo a Forbes, o disco teve cerca de 80 milhões de streams globais no Spotify, maior serviço musical do mundo. Com isso, se tornou a maior estreia de um álbum de uma artista mulher na história do Spotify, superando Thank U, Next, de Ariana Grande, que teve 70,2 milhões de streams na estreia em 2019. Também é o debut mais forte no serviço este ano, passando Legend Never Die, de Juice WRLD, que teve 73 milhões de plays no primeiro dia de lançado, na semana passada.

Quase 44 milhões desses streams vieram dos EUA, segundo o HTTS Daily Double, uma melhora significativa em relação ao disco anterior de Swift, Lover, que teve 29 milhões de streams nos EUA no primeiro dia no Spotify. Com o desemprenho, Folklore emplacou todas as músicas nas 16 primeiras colocações das mais tocadas do Spotify. The 1, que abre o álbum, ficou em primeiro, seguida pelo single Cardigan. Com 4,175 milhões de streams, The 1 se tornou a maior estreia nos EUA de uma música por uma artista mulher na história do Spotify. Nas mais ouvidas do mundo, Swift emplacou oito músicas no top 10 do serviço.

De acordo com a gravadora Republica Records, o disco teve 35,47 milhões no Apple Music em 24 horas, se tornando o álbum de pop com mais streams em apenas um dia no serviço.

No mundo das mídicas físicas, o disco vendeu 1,3 milhão de cópias em todo mundo nas primeiras 24 horas, também de acordo com a gravadora Republic Records. No Brasil, o disco é vendido pela Universal Music, que disponibilizou as oito versões de capa lançadas pela cantora em pré-venda, com lançamento previsto para 28 de agosto.

Os números finais devem estar disponíveis em uma semana. A Forbes estima que o disco deve chegar ao número da Billboard, se tornando o sétimo consecutivo de Swift a conseguir o feito.

Folklore foi anunciado por Swift horas antes de ser lançado, o que é atípico para a cantora. O álbum foi produzido durante a quarentena, com produção de Jack Antonoff, antigo parceiro artístico da cantora, e Aaron Dessner, da banda The National, e tem influência de música folk e alternativa.(Correio)